Artigo – 22. Aceitação

Artigo – 22. Aceitação

Para entendermos sobre Terapia Comportamental Dialética (DBT) é essencial que os pressupostos sejam esclarecidos. Um dos pressupostos da DBT é a filosofia dialética.
A filosofia dialética postula que toda tese contém, em si mesmo, sua própria antítese e que o desenvolvimento delas ocorre por meio da síntese.

Por exemplo, há pessoas que podem considerar os seres humanos essencialmente bons ou essencialmente maus.

Na filosofia dialética, é possível criarmos uma síntese dessa tensão, sem que, necessariamente, o homem seja exclusivamente bom ou mau.

O homem pode ser bom e mau ao mesmo tempo.
Essa mudança de visão possibilita uma mudança de comportamento.

Quando o terapeuta percebe que o cliente está em polos extremos de uma visão, a postura dialética permite o desenvolvimento de um pensamento, sentimento ou comportamento, mudando a forma como a pessoa lida com o mundo.
Nós da INNEAC acreditamos em uma vida que vale a pena ser vivida.
Gostou do texto?

Nos ajude a divulgar!
Facebook: https://www.facebook.com/InstitutodeNeuropsicologia/
Instagram: @institutodeneuropsicologia
Site: http://institutodeneuropsicologia.com.br/site/

Referencias bibliográficas
Leonardi, J. L. (2017). Terapia Comportamental Dialética (DBT): Uma Breve Apresentação. Boletim Paradigmacom o serviço 141 de Centro de Valorização da Vida.

Eles possuem voluntários treinados para conversar com todas as pessoas que procuram ajuda e apoio emocional.

Nós da equipe INNEAC possuímos tratamento especializado em atendimentos para pessoas que sofrem intensamente.
Nós acreditamos em uma vida que vale a pena ser vivida.
Gostou do texto? Estaremos publicando mais sobre a temática durante o mês de Setembro.

Nos ajude a divulgar!
Acesse nossas redes sociais:
Facebook: https://www.facebook.com/InstitutodeNeuropsicologia/
Instagram: @institutodeneuropsicologia
Site: http://institutodeneuropsicologia.com.br/site/

Referências bibliográficas
Méndez-bustos PI, Calati R, Rubio_ramírez F, Olie E, Courtet P and Lopez-castroman J(2018) Effectiveness Of Psychotherapy On Suicidal Risk: A Systematic Review Of Observational Studies. Front. Psychol. 10:277. doi:10.3389/fpsyg.2019.00277
Kate E. A. Saunders and Keith Hawton (2009). The role of psychopharmacology in suicide prevention. Epidemiologia e Psichiatria Sociale, 18, pp 172-178 doi:10.1017/S1121189X00000427

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

div#stuning-header .dfd-stuning-header-bg-container {background-image: url(http://institutodeneuropsicologia.com.br/site/wp-content/uploads/2019/04/banner3-min.jpg);background-size: initial;background-position: top center;background-attachment: initial;background-repeat: initial;}#stuning-header div.page-title-inner {min-height: 250px;}