Artigo-29: Autocontrole

Artigo-29: Autocontrole

Quando ouvimos falar sobre autocontrole nós lembramos de uma força de vontade, um querer interno ou até a resistência de certas tentações. Essas concepções tentam explicar o comportamento utilizando um agente interno, algo dentro de nós. Apesar dessa concepção ser comum, ela pode ser explicada de outra forma.

Se-autocontrolar envolve estar em uma situação conflitante. Imagine uma pessoa que quer parar de fumar e ela está se sentindo ansiosa. O fato de não fumar o cigarro, que com certeza iria trazer consequências prazerosas e imediatas, pode não acontecer por conta de uma relação com uma consequências a longo prazo, como câncer ou prejuízos na saúde. Autocontrolar-se é se comportar de maneira a priorizar consequências a longo prazo em detrimento a consequências a curto prazo.  Em terapia, o(a) psicólogo(a) auxilia na compreensão desse comportamento e encontrar maneiras para lidar de forma mais efetiva com os objetivos do cliente.

Referência

Cruz, Robson Nascimento da. (2006). Uma introdução ao conceito de autocontrole proposto pela análise do comportamento. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 8(1), 85-94. Recuperado em 18 de novembro de 2019, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-55452006000100008&lng=pt&tlng=pt.

div#stuning-header .dfd-stuning-header-bg-container {background-image: url(http://institutodeneuropsicologia.com.br/site/wp-content/uploads/2019/04/banner3-min.jpg);background-size: initial;background-position: top center;background-attachment: initial;background-repeat: initial;}#stuning-header div.page-title-inner {min-height: 250px;}